Saturday, November 12, 2011

Meu trem pras estrelas

São 3h da manhã
Vejo ruas da janela
O sol apagou sua luz
Mas o partir da lua espera

Eu, enquanto observo
Sem pensar, pensando em ir
Buscar um pouco da lua
Querer com ela sair

E num querer-não-quer
Também queria ficar
Esperar a clareza do sol
Um amor com ele chegar

Mas já passam das 4h então
E nada, de fato, ficou
Lua e sol, vêm e vão, no vão, ser tão...
Rindo, indo, lamento.


Depois dos navios negreiros
Outras correntezas...





5 comments:

Carol Freitas said...
This comment has been removed by the author.
Carol Freitas said...

E quem é que não tem um trem pras estrelas? Cada um que pinte o seu. E o da Laurinha ficou lindo com essa cor de madrugada...

Blower's Daughter said...

Que poema lindo, Lauritia!^^
Amei!

Nathi said...

Sonho que se sonha sem dormir e amanhece junto com a claridade do senhor de fogo tem o valor de uma fênix.

A resistência à felicidade.

Voe pela madrugada e descubra onde este mundo te leva.

João Gilberto said...

Sim, eles conversam enquanto se perseguem, para um beijo no eclipse e nada mais, que a busca parece mais instigante que o próprio encontro.

Gosto dessa música com Gil e Cazuza cantando.